Sagrada Família: Informática

Irmãs da Divina Providência
28 junho, 2017 00:28



Uma ferramenta pedagógica

 

Como utilizar a informática da forma mais proveitosa possível? Esta é a principal questão, segundo Irmã Ana Besel, que nos últimos anos dedicou especial atenção do seu trabalho na estruturação da bem montada área de informática do Colégio.

 

A resposta a essa pergunta pode ser encontrada na prática, já que os laboratórios foram montados depois de listadas as principais necessidades pedagógicas em sala de aula.

 

O resultado é que as aulas ganharam maior motivação, entusiasmando alunos e professores. O manuseio inteligente da informática, feito por professores e técnicos que sabem exatamente o que querem, é mais um exemplo de como a tecnologia pode facilitar e enriquecer o ensino.

 

                 

 

     

 

Com o objetivo de oferecer cada vez mais uma educação inovadora e de qualidade, preparando o aluno para um mercado muito mais exigente e concorrido, hoje faz-se necessário um conhecimento mais abrangente no segmento que mais se expande no mundo, a informática.

 

Sabendo-se que, cada vez mais, o mercado de trabalho exige pessoas qualificadas e que dominem o uso do computador, criou-se no Sagrada o projeto que inclui na grade curricular dos alunos do Ensino Fundamental I, a disciplina de Informática, projeto este que pretende preparar as crianças para a utilização da informática e suas ferramentas.

 

Mais uma vez, o Colégio se preocupa em dar uma formação integral ao educando, preparando-o para a vida e para o mercado de trabalho.

 

Laboratório de informática como ambiente de aprendizagem

 

Fonte: http://www.educarede.org.br/educa/index.cfm?pg=internet_e_cia.informatica_principal&id_inf_escola=13

 

Usar o laboratório de informática na escola significa criar um ambiente virtual de aprendizagem. Se o conhecimento se dá por meio da interatividade, na medida em que o sujeito interage com o contexto e os objetos ali existentes, também no laboratório de informática o aluno encontrará oportunidades de aprendizagem no contato com os equipamentos eletrônicos.

 

Por meio da Internet, ele navega livremente e recebe um número grande de informações de forma não seqüencial, formando conexões não precisas e enfrentando ambigüidades e incertezas no mundo de diversidades. Essa nova maneira de receber as informações é bem diferente daquela trajetória definida pelo conhecimento sistematizado e organizado do ensino tradicional.

 

Entretanto, essa diferença não altera o princípio da aprendizagem, quando se diz que qualquer conteúdo que chega ao aluno pode provocar interesse desde que tenha significado para ele.


Graças à Internet, é possível ter uma vitrine do mundo e descobrir o que acontece em toda parte. A quantidade de informações, uma das suas vantagens, também constitui o seu maior defeito: a Web é caótica e não tem uma lógica. Não basta clicar para obter o que se deseja. É preciso saber onde se localizam as informações, que qualidade elas têm, o que nos interessa, ou seja, é preciso que o professor faça a intermediação dessas informações para ajudar o aluno a desenvolver o espírito crítico e seletivo.

 

Além disso, se o objetivo é colher as informações para criar novos conhecimentos, é preciso ainda que o aluno tenha competência e habilidade para analisar e sintetizar as informações, e não simplesmente fazer um “recorte e cole” das consultas feitas.

 

No geral, o aluno tem um encantamento pelo uso da Internet em função da interatividade que ela proporciona e da riqueza dos desdobramentos dessa ação.

 

A Internet pode constituir uma ferramenta didática a mais se o professor intermediar as informações recebidas pelo aluno. O seu papel fundamental será o de avaliar a qualidade do material recebido, para que o aluno desenvolva autonomia na seleção desse conteúdo e possa, assim, fortalecer o seu protagonismo e, conseqüentemente, o seu auto-conceito.

 

Nesse sentido, o aluno deixa de ser apenas um receptor de informações para se tornar o responsável pela aquisição de seu conhecimento, porque lhe é dada a liberdade de trabalhar com conteúdos que estejam em sintonia com seus interesses e necessidades.