Sagrada Família: Biblioteca

Irmãs da Divina Providência
28 junho, 2017 00:39



CRA - Biblioteca

 

A biblioteca escolar faz parte do CRA – Centro de Recursos de Aprendizagem. É parte integrante do processo ensino – aprendizagem e exerce papel pedagógico na formação da competência do uso da informação na Sociedade do Conhecimento, pois favorece a busca da informação e a maneira de como processá-la.

 

A biblioteca possui um espaço preparado para diversas atividades como o prazer da leitura e o desenvolvimento da cultura, explorando diferentes meios e modos de comunicação.

 

E-mail: biblioteca@sagrada.net

Regulamento da Biblioteca
 

Serviços oferecidos

 

  • Leitura no local
  • Empréstimo domiciliar
  • Levantamento bibliográfico
  • Referência, pesquisa e orientação
  • Disseminação Seletiva da Informação
  • Reprografia
  • Escaneamento de documentos
  • Terminais de consulta á Internet
  • Dinamização cultural
  • Televisão, vídeo para ver filmes
  • Cantinho da leitura
  • Exposições

 

Pode-se afirmar que a Biblioteca teve inicio juntamente com a fundação do Colégio Sagrada Família.

 

Os relatos da época nos dão conta tratar-se de um pequeno acervo. É natural que, oriundas da Alemanha, poucas irmãs dominavam o português, daí a necessidade de dicionários e outras obras que serviam de apoio na nova terra, alem das de praxe da vida religiosa.

 

Ao longo desses 122 anos, a Biblioteca passou por uma série de reformas, de enriquecimento do acervo e constante atualização.

 

Atualmente, a Biblioteca conta com a coordenação da bibliotecária Elaine e com um serviço especializado de atendimento, onde os usuários têm livre acesso às estantes.

 

Todo o acervo da Biblioteca encontra-se devidamente catalogado, classificado e informatizado. Conta com mais de 40.165 títulos de obras nas várias áreas do conhecimento (livros, anais, biografias, folhetos, entre outros) e 9 Revistas e 3 jornais.

 

Os jornais diariamente são:

 

  • A Notícia
  • Diário Catarinense
  • Jornal de Santa Catarina

 

Revistas
 
Educação
Gestão Educacional
Missão Jovem
Nosso Amiguinho
Nova Escola
Mundo e Missão
Superinteressante
Veja
Vida e Saúde

 

Feira do Livro

 

COMO AJUDAR O SEU FILHO A GOSTAR DE LER

 

Muitos pais se preocupam com a falta de vontade de ler de seus filhos. Dizem que eles só abrem um livro quando não há mais nenhum jeito de escapar. Ler sem ser obrigado pela escola, nem pensar! O que fazer?

 

Em palestras e encontros com pais, costumo começar a conversa com uma pergunta simples e direta: Que exemplos de leitura seu filho tem em casa? Não estou falando de “conselhos”, estou falando de exemplos. Será que os pais mostram que valorizam a leitura de jornais, revistas ou livros?

 

Será que o filho é capaz de perceber os efeitos benéficos que a leitura pode trazer?

 

Ler jornais ou revistas nos deixa mais informados a respeito do mundo em que vivemos; ler literatura nos faz “viajar” sem sair de casa, permitindo-nos conhecer, por meio de histórias, outras maneiras de lidar com os problemas da vida, ampliando nossa visão do mundo. A leitura não dá respostas para nossos problemas, mas ajuda-nos a pensar sobre eles, estimula-nos a refletir. E isso nos ajuda a amadurecer, a crescer.

 

Os pais não devem obrigar o filho a ler. Isso não funciona. O que eles devem fazer, na minha opinião, é servir de exemplo. Devem também se interessar pela leitura do filho, procurando conversar sobre o que ele está lendo. A leitura será sempre mais enriquecedora se for seguida de uma conversa sobre o que foi lido. Mesmo com crianças pequenas é possível fazer isso, chamando a atenção para aspectos que elas talvez não tenham percebido ou pedindo que falem sobre aquilo de que gostaram ou não. O livro deve se transformar num ponto de encontro entre pais e filhos, estimulando o diálogo entre eles.

 

Não se pode esperar que a escola faça isso. Os professores podem ajudar, mas dificilmente vão modificar o comportamento que os alunos trazem de casa.

 

Além disso, os jovens não devem ler só o que a escola manda. Os pais podem procurar outros livros, de diferentes assuntos, em bibliotecas, livrarias ou mesmo em sebos (lojas de livros usados). Não é preciso ler muitos livros. O que interessa é a qualidade da leitura e não a quantidade de livros. Mas é preciso certa regularidade, para que o gosto se desenvolva.